O EFEITO DE ESTUFA E AS ATIVIDADES HUMANAS

É certo que o clima tem vindo a alterar-se ao longo de diferentes eras geológicas, mas nunca tão rápido como nos últimos 100 anos devido à atividade humana, o que tem implicações na estabilidade do clima da Terra. Segundo a Agência Europeia do Ambiente (AEA), as temperaturas estão a subir, os padrões de chuva estão a mudar, os glaciares estão a derreter, e o nível médio da água dos mares está a aumentar. É muito provável que a maior parte do aquecimento observado desde meados do século XX se deva a atividades humanas.

SABIAS QUE...?

Estima-se que as causas naturais, como mudanças na radiação solar ou atividade vulcânica, tenham contribuído com menos de cerca de 0,1°C para o aquecimento total entre 1890 e 2010. Muito dos gases com efeito de estufa (GEE) ocorrem naturalmente, mas a atividade humana tem aumentado as concentrações de alguns deles na atmosfera, em particular de:

  • Dióxido de carbono (CO2)
  • Metano (CH4)
  • Óxido nitroso (N2O)
  • Gases fluorados

O vapor de água é o gás de efeito estufa mais abundante e atua como um feedback positivo para o clima. 
O vapor de água está diretamente relacionado com a temperatura, à medida que esta aumenta há maior evaporação e como resultado mais vapor de água se acumula na atmosfera, conduzindo também a uma maior possibilidade de nuvens e precipitação.

O dióxido de carbono (CO2), um componente menor, mas muito importante da atmosfera, é libertado através de processos naturais, como respiração e erupções vulcânicas, e através de atividades humanas, como desmatamento, alterações no uso da terra e queima de combustíveis fósseis. O CO2 produzido pelas atividades humanas é o maior contribuinte para o aquecimento global. Em 2020, a sua concentração na atmosfera subiu para 48% acima de seu nível pré-industrial (antes de 1750). É a "força" de longa duração mais importante das alterações climáticas. Os outros gases com efeito de estufa (GEE) são emitidos pela atividade humana em quantidades menores. 

O metano, um gás hidrocarboneto produzido tanto por fontes naturais quanto por atividades humanas, incluindo a decomposição de resíduos em aterros sanitários, agricultura e, especialmente, cultivo de arroz, bem como digestão de ruminantes e manuseamento de estrume associado ao gado doméstico. É um GEE mais poderoso e ativo que o CO2, mas também é muito menos abundante na atmosfera e tem uma vida útil atmosférica mais curta.  

O óxido nitroso, como o CO2, é um GEE de longa duração que se acumula na atmosfera por décadas a séculos. Um poderoso GEE produzido por práticas de cultivo do solo, especialmente o uso de fertilizantes comerciais e orgânicos, combustão de combustíveis fósseis, produção de ácido nítrico e queima de biomassa.

Os Gases Fluorados são gases artificiais utilizados numa vasta gama de aplicações industriais. Estes gases são assim parte do compromisso de redução de emissões assumido pela Comunidade Europeia, em 1997, no âmbito do Protocolo de Quioto. Os gases fluorados com efeito de estufa são substâncias com um grande potencial de aquecimento global, muito superior ao do dióxido de carbono. 
 

Fontes Consultadas

Agência Portuguesa do Ambiente (APA) - https://apambiente.pt/

CDP - Disclosure Insight Action - https://www.cdp.net/en

Climate ADAPT - https://climate-adapt.eea.europa.eu/

Comissão Europeia – https://ec.europa.eu/info/index_en

Copernicus - https://www.copernicus.eu/en

European Environment Agency (EEA) - https://www.eea.europa.eu/

Expresso - https://expresso.pt/

 

Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO) - http://www.fao.org/home/en/

NASA - https://www.nasa.gov/

Organização das Nações Unidas (ONU) - https://unric.org/pt/

Organização Meteorológica Mundial - https://news.un.org/pt/tags/omm

Público - https://www.publico.pt/

United Nations Climate Change (UNFCCC) - https://unfccc.int/

Visão Verde - https://visao.sapo.pt/visao_verde/clima/2021-03-18-quais-os-efeitos-das-alteracoes-climaticas-na-saude/

Este site utiliza cookies da Google para disponibilizar os respetivos serviços e para analisar o tráfego. O seu endereço IP e agente do utilizador são partilhados com a Google, bem como o desempenho e a métrica de segurança, para assegurar a qualidade do serviço, gerar as estatísticas de utilização e detetar e resolver abusos de endereço.